Suíno Preço Base
Cooper Central Aurora: R$ 3,60
Pamplona: R$ 3,60
BRF (Sadia/Perdigão): R$ 3,50
JBS Foods: R$ 3,40
+ Bonificação de Carcaça (Média da Bonificação 10%)

Ver Histórico

Bolsa de Suínos
Santa Catarina: R$ 4,86
São Paulo: R$ 5,33
Minas Gerais: R$ 5,60
Paraná: R$ 4,90

Ver Histórico

Mercado de Grãos - Santa Catarina
Milho: R$ 41,40 (Referência Copérdia)
Farelo de Soja: R$ 1,35

Ver Histórico

 
Links da Suinocultura
ABCS
ABPA
CANAL RURAL
CEPEA
CIDASC
CNA
EMBRAPA
FAESC SENAR/SC
FATMA
MAPA
MDIC
NOTÍCIAS AGRÍCOLAS
O PRESENTE RURAL
PÁGINA RURAL
PORKWORLD
SAFRAS & MERCADO
SEC. DA AGRICULTURA
SUINO.COM
SUINOCULTURA INDUSTRIAL
TERRA VIVA
 
ou data:
NOTÍCIAS DA ACCS
14/01/2019 às 11h4
Atualizada em 14/01/2019 - 11h09
Suinocultura brasileira deve retomar crescimento em 2019
Em entrevista ao Informativo ACCS, o diretor-executivo da ABPA, Ricardo Santin, faz projeções positivas para a produção de proteína animal neste ano
Compartilhe esta notícia:


Ricardo Santin, diretor-executivo da ABPA (Foto: Divulgação)

O ano de 2018 foi marcado por diversas dificuldades para os suinocultores brasileiros e também para as agroindústrias. O custo de produção permaneceu em patamares elevados, a remuneração paga ao produtor não atingiu as cifras desejadas e as empresas sofreram com os reflexos das operações Carne Fraca e Trapaça, que fizeram com que países importadores das carnes brasileiras suspendessem as importações do Brasil. Em meio ao caos político, no ano passado também houve a greve dos caminhoneiros, que resultou em perdas para vários setores da economia.
 
Apesar do grave período de recessão atravessado pelo Brasil no ano passado, a economia deve se recuperar em 2019, gerando reflexos positivos para a produção de proteína animal. Em entrevista ao Informativo ACCS, o diretor-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, fez projeções otimistas para a suinicultura.
 


ACCS – Quais são as expectativas para a suinocultura brasileira em 2019?
 
Ricardo – Tivemos um ano de 2018 difícil por causa do bloqueio das exportações para a Rússia, mas no final do ano nós conseguimos a reabertura deste mercado. Na China vemos a Peste Suína Africana (PSA) avançar em proporções grandes. Fala-se que a China precisará importar de três a cinco milhões de toneladas de carne suína para atender a demanda. A gente já sabe que essa quantia não está disponível nos países exportadores, incluindo o Brasil.
 
Os chineses vão precisar aumentar o consumo de carne de frango e bovina para suprir a falta de carne suína. Pela retomada das exportações para a Rússia e o episódio de PSA na China, o Brasil vai ter um ano positivo na suinocultura.
 
Em relação ao volume de exportações, qual o patamar o Brasil deve atingir?
 
Devemos exportar muito mais do que as quase 600 mil toneladas de 2018. Infelizmente o envio de carne suína para outros países foi menor no ano passado em relação a 2017, mas em 2019 pretendemos ter patamares muito mais positivos. Como ainda dependemos verificar o panorama global, principalmente o de importação de carne suína da China, a gente ainda não fala em números. Mas se não houver nenhum episódio diferente, nós devemos ter crescimento entre 2% e 5% nos embarques de carne suína.
 
O que podemos esperar do novo Governo Federal e também da nova composição do Ministério da Agricultura?
 
As expectativas que a gente tem com o novo governo e com o Ministério da Agricultura são positivas. O novo governo traz a responsabilidade de fazer reformas e colocar o país nos trilhos de novo. Nós já percebemos a economia caminhando, o crescimento do emprego e a confiança dos empresários retomada. Felizmente acabou aquele ciclo de retração econômica que nós vivenciamos nos últimos três anos. O crescimento projeto para a economia em 2019 está na casa dos 2,5% e 3%.
 
Com relação a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, a expectativa é mais que positiva. A ministra é uma grande conhecedora do nosso setor, uma especialista em agronegócio. Ela também tem o apoio do secretário-executivo Marcos Montes. Vamos ter um ciclo muito positivo para as carnes suína, de aves e de ovos, que são representadas pela ABPA.
 
Como está a imagem do Brasil perante o mundo após as operações Carne Fraca e Trapaça? O país já conseguiu recuperar a sua credibilidade perante os mercados compradores?
 
Nós estamos fazendo um trabalho de recuperação e imagem global, mostrando a qualidade do nosso produto. Tivemos dificuldades de imagem sim, mas é importante lembrar que desde a operação Carne Fraca, apenas 70 dos 160 mercados que nós atendemos barraram a importação de carnes do Brasil. Hoje todos esses países reabriram mercado com o Brasil.
No caso de frango continuamos a vender mais de quatro milhões de toneladas e 600 mil toneladas de suínos. Isso mostra a confiança que o mercado internacional tem em nosso produto. Existe muito trabalho para reconquistar a credibilidade e acredito que este ano será muito positivo não somente para o setor, mas também para a imagem brasileira do agronegócio.
 
Em 2019 quais são os países que devem se posicionar como os principais compradores da nossa proteína e quais são as grandes promessas para este ano?
 
A figura dos importadores brasileiros não deve mudar muito. A China deve se confirmar como a maior importadora de carne brasileira, superando Hong Kong. Neste ano esperamos a habilitação de novas plantas para a China Continental. Hong Kong, que hoje é o maior importador de proteína brasileira, deve manter um bom volume de compras.
 
A Rússia deve habilitar novas plantas para importar carne do Brasil. Esperamos exportar para a Coreia do Sul, mas temos grande expectativa em relação ao México, que é também um grande importador de carne.
 
Várias partes do mundo estão sofrendo prejuízos com a PSA. O Brasil pode ser favorecido com as dificuldades sanitárias pelas quais diversos países enfrentam?
 
A PSA está presente em vários países da Ásia, mas principalmente na China. Nós como produtores de suínos precisamos reforçar os cuidados com a sanidade da nossa propriedade. A sanidade é um dos grandes segredos do sucesso da nossa exportação. Esses cuidados devem ser maiores em Santa Catarina, que é livre de febre aftosa sem vacinação e de peste suína clássica.
 
A Ásia, Eurásia e alguns países da Europa estão sentindo os efeitos da Peste Suína Africana. Nós vamos ter a oportunidade de aumentar as nossas exportações porque eles terão diminuição da produção.

Fonte: Tiago Rafael/ACCS
 
Comentário
 
      Nenhum comentário para esta notícia!
Deixe seu Comentário para a notícia "Suinocultura brasileira deve retomar crescimento em 2019"
(*) - Todos os campos são de preenchimento obrigatório.
Seu Nome*:
Seu E-mail*:
(o email não será publicado)
Cidade*:
Estado*:
Comentário*:
  500 caracteres restantes.
Eu li e aceito as regras de publicação de comentários. VER REGRAS

VEJA TAMBÉM - Outras Notícias da Categoria NOTÍCIAS DA ACCS
06/06/2019 - Valor pago pelo quilo do suíno vivo tem novo aumento
A Cooperativa Central Aurora anunciou que a partir desta quinta-feira, dia 6, o preço pago pelo quilo do suíno vivo foi para R$...
04/06/2019 - Produtor e Agroindústria pedem cancelamento de evento internacional em SC
Preocupadas com a defesa sanitária do território barriga-verde, as principais entidades do agronegócio catarinense emitiram...
31/05/2019 - ASSISTA | COZINHA ACCS
Já está disponível em todos os canais de comunicação da Associação Catarinense de Criadores de Suínos a nova temporada do programa...
29/05/2019 - Santa Catarina comemora 12 anos como área livre de febre aftosa sem vacinação
Santa Catarina comemora 12 anos do certificado internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação. Os esforços dos...
24/05/2019 - ACCS tem contas aprovadas
Representantes dos núcleos municipais e regionais da ACCS participaram nesta sexta-feira (24) da Assembleia Geral Ordinária da...
24/04/2019 - Frente Parlamentar da Suinocultura é instalada na Alesc
A manutenção do status sanitário de Santa Catarina como estado livre de aftosa e a viabilização da rota do milho vindo do Paraguai...
18/04/2019 - Frente parlamentar da Suinocultura será lançada na ALESC
Com o objetivo de discutir os principais desafios da Suinocultura Catarinense, será lançada na próxima terça-feira (23), a Frente...
16/04/2019 - Mais de 400 pessoas participaram do 20º Seminário Regional da Suinocultura
Foi realizado no último sábado (13) o 20º Seminário Regional da Suinocultura, que foi sediado pela terceira vez em Descanso,...
09/04/2019 - TV ACCS | XI Festa Catarinense da Suinocultura
Milhares pessoas prestigiaram no último final de semana a XI Festa Catarinense da Suinocultura e a VI Festa do Agricultor e da...
27/03/2019 - Santa Catarina fixa em 6% o ICMS sobre o suíno vivo
Por unanimidade, os deputados catarinenses aprovaram na tarde de terça-feira (26) o Projeto de Lei (PL) 28/2019, de autoria...
 
 
Rua do Comércio, nº 655
Centro, Concórdia / SC
CEP: 89700-089
Diretoria
Granjas de Material Genético
50 anos de ACCS
55 anos de ACCS
Relatórios Anuais
Frente Parlamentar
Núcleos e Associações
50 anos ACCS
55 anos ACCS
Rádio ACCS
TV ACCS
Notícias
Links da Suinocultura
Receitas
Newsletter
Agenda de Eventos
Previsão do Tempo
Galeria de Fotos
© - Ideia Good - Soluções para Internet