Suíno Preço Base
Cooper Central Aurora: R$ 3,70
Pamplona: R$ 3,70
BRF (Sadia/Perdigão): R$ 3,60
JBS Foods: R$ 3,50
+ Bonificação de Carcaça (Média da Bonificação 10%)

Ver Histórico

Bolsa de Suínos
Santa Catarina: R$ 5,03
São Paulo: R$ 5,44
Minas Gerais: R$ 5,60
Paraná: R$ 4,90

Ver Histórico

Mercado de Grãos - Santa Catarina
Milho: R$ 41,40 (Referência Copérdia)
Farelo de Soja: R$ 1,35

Ver Histórico

 
Links da Suinocultura
ABCS
ABPA
CANAL RURAL
CEPEA
CIDASC
CNA
EMBRAPA
FAESC SENAR/SC
FATMA
MAPA
MDIC
NOTÍCIAS AGRÍCOLAS
O PRESENTE RURAL
PÁGINA RURAL
PORKWORLD
SAFRAS & MERCADO
SEC. DA AGRICULTURA
SUINO.COM
SUINOCULTURA INDUSTRIAL
TERRA VIVA
 
ou data:
NOTÍCIAS DE MERCADO
23/04/2019 às 10h30
Incerteza econômica faz agroindústria patinar
Setor depende das reformas estruturais que estão na agenda do governo
Compartilhe esta notícia:



Dependente do comportamento da economia em geral pelo peso que têm os setores de alimentos e bebidas, a agroindústria do país corre o risco de patinar em 2019 e nos dois próximos anos caso as reformas estruturais que estão na agenda do governo de Jair Bolsonaro e do Congresso permaneçam no atoleiro.
 
É o que aponta o Índice da Produção Agroindustrial Brasileira (PIMAgro) desenvolvido pelo Centro de Estudos em Agronegócios da Fundação Getulio Vargas (FGV Agro) e calculado com base, principalmente, nas variações do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR), da taxa de câmbio e do Índice de confiança do Empresário da Indústria de Transformação (ICI) da FGV.
 
Nos cruzamentos mais pessimistas entre esses dados - o que inclui o piso das estimativas para o PIB, mas um dólar mais atraente para as exportações -, o PIMAgro sinaliza crescimento de 0,22% para a agroindústria em 2019 e avanços de 0,16% em 2020 e de 0,1% em 2021. Nos cenários mais otimistas, que perdem força a cada semana de divergências em torno da reforma da Previdência, os incrementos chegam a 4,15%, 4,38% e 4,02%, respectivamente.
 
O professor Felippe Serigati, que liderou a criação do indicador, e a pesquisadora Roberta Possamai, que participou do processo desde o início, explicam que a agroindústria acompanha o comportamento da economia em geral mais de perto porque a participação de alimentos e bebidas em sua composição chega a quase 52% e que, nesses dois setores, a demanda é mais inelástica e atrelada à renda dos brasileiros.
 
"Em outros setores, como papel e celulose e carnes, por exemplo, os reflexos das exportações são maiores. Mas alimentos e bebidas dependem do crescimento da economia, e esse crescimento tem perdido fôlego em meio ao compasso de espera ligado ao ambiente político", diz Serigati.
 
Da fatia de 51,6% dos produtos alimentícios e bebidas no PIMAgro, os primeiros representam 41,3% e os segundos, 10,3%. O grupo dos alimentícios é formado por produtos de origem animal (21,6%) e vegetal (19,7%), ao passo que o das bebidas se divide entre alcoólicas (5,2%) e não-alcoólicas (5,1%).
 
Entre os produtos não-alimentícios, que têm peso de 48,4% no indicador, o segmento têxtil é o mais importante (17,4%), seguido por produtos florestais (12,7%), insumos agropecuários (7,9%), fumo (3,8%), borracha (3,4%) e biocombustíveis (3,1%). A soja em grão, carro-chefe do agronegócio brasileiro, tem influência marcante sobretudo nas oscilações do segmento de insumos, que inclui fertilizantes e defensivos.
 
Os pesquisadores da FGV Agro realçam que os modestos crescimentos projetados para a agroindústria do país até 2021 virão depois de uma contração de 1% em 2018. Essa queda, afirmam, derivou dos efeitos do desgaste político do fim do governo Temer sobre o ritmo das reformas econômicas e também da greve dos caminhoneiros.
 
"Como a economia brasileira, durante 2017 a indústria e a agroindústria vinham recuperando o fôlego do seu crescimento, mas a trajetória mudou notadamente após a greve dos caminhoneiros", escreveram Serigati e Possamai em sua análise. "O fato é que a greve prejudicou fortemente a agroindústria", pontuaram.
 
Entre janeiro e abril de 2018 - o movimento dos caminhoneiros foi no fim de maio -, o crescimento acumulado da produção agroindustrial do país chegou a 4,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. Entre maio e dezembro, contudo, houve retração de 3,1%.
 
Nos quatro meses que antecederam a greve, apontam os cálculos da FGV Agro, os produtos alimentícios e bebidas acumularam crescimento de 4,1%, mas no restante do ano houve queda acumulada de 7,2%. No caso dos produtos não-alimentícios, ainda houve variação positiva no período pós-greve (1,8%) em 2018.
 
Com uma nova ameaça de greve dos caminhoneiros no ar, provavelmente em maio, a agroindústria instalada no país já sabe, portanto, que as projeções contidas no PIMAgro, que já não são nenhuma maravilha, poderão até piorar.

Fonte: Valor
 
Comentário
 
      Nenhum comentário para esta notícia!
Deixe seu Comentário para a notícia "Incerteza econômica faz agroindústria patinar"
(*) - Todos os campos são de preenchimento obrigatório.
Seu Nome*:
Seu E-mail*:
(o email não será publicado)
Cidade*:
Estado*:
Comentário*:
  500 caracteres restantes.
Eu li e aceito as regras de publicação de comentários. VER REGRAS

VEJA TAMBÉM - Outras Notícias da Categoria NOTÍCIAS DE MERCADO
17/06/2019 - Abate de suínos cresceu 5,5% no primeiro trimestre
De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no 1º trimestre de 2019, foram...
17/06/2019 - Brasil caminha para década perdida na economia, a pior em 120 anos
Ao mesmo tempo em que flerta com o retorno da recessão técnica, a economia brasileira caminha para mais uma década perdida,...
14/06/2019 - Exportações de carne suína somam 13,4 mil toneladas
As exportações de carne suína in natura continuam com bom desempenho nesse início de junho. De acordo com os dados do Ministério...
14/06/2019 - Exportações de carne suína somam 13,4 mil toneladas
As exportações de carne suína in natura continuam com bom desempenho nesse início de junho. De acordo com os dados do Ministério...
13/06/2019 - ARTIGO | Liderança catarinense
A avicultura industrial brasileira nasceu em território barriga-verde e conquistou o mundo, é sinônimo de eficiência e qualidade...
13/06/2019 - Fusão da BRF com o Marfrig tem complexidades a serem avaliadas, diz Parente
O CEO e presidente do Conselho de Administração da BRF, Pedro Parente, disse que uma eventual fusão com a Marfrig tem que ser...
13/06/2019 - Genus continua avançando com sua iniciativa global de resistência à PRRS
A Genus plc, líder global em genética animal, anunciou no final do mês de maio que assinou um acordo de cooperação estratégica na...
11/06/2019 - Calma! Ainda sequer cobrimos os prejuízos
No momento em que estamos realinhando os preços do suíno vivo em patamares que possam oferecer algum tipo de remuneração...
11/06/2019 - Queda da produção de milho na China leva preço ao maior nível em 4 anos
A queda da produção de milho na China tem elevado os preços domésticos da commodity aos níveis mais altos dos últimos quatro anos....
11/06/2019 - Exportações de carne suína somam 13,4 mil toneladas
As exportações de carne suína in natura continuam com bom desempenho nesse início de junho. De acordo com os dados do Ministério...
 
 
Rua do Comércio, nº 655
Centro, Concórdia / SC
CEP: 89700-089
Diretoria
Granjas de Material Genético
50 anos de ACCS
55 anos de ACCS
Relatórios Anuais
Frente Parlamentar
Núcleos e Associações
50 anos ACCS
55 anos ACCS
Rádio ACCS
TV ACCS
Notícias
Links da Suinocultura
Receitas
Newsletter
Agenda de Eventos
Previsão do Tempo
Galeria de Fotos
© - Ideia Good - Soluções para Internet