Suíno Preço Base
Cooper Central Aurora: R$ 2,80
Pamplona: R$ 2,80
BRF (Sadia/Perdigão): R$ 3,00
JBS Foods: R$ 2,90
+ Bonificação de Carcaça (Média da Bonificação 10%)

Ver Histórico

Bolsa de Suínos
Santa Catarina: R$ 3,60
São Paulo: R$ 3,79
Minas Gerais: R$ 4,00
Paraná: R$ 4,00

Ver Histórico

Mercado de Grãos - Santa Catarina
Milho: R$ 46,90 (Referência Copérdia)
Farelo de Soja: R$ 1,70

Ver Histórico

 
Links da Suinocultura
ABCS
ABPA
CANAL RURAL
CEPEA
CIDASC
CNA
EMBRAPA
FAESC SENAR/SC
FATMA
MAPA
MDIC
NOTÍCIAS AGRÍCOLAS
O PRESENTE RURAL
PÁGINA RURAL
PORKWORLD
SAFRAS & MERCADO
SEC. DA AGRICULTURA
SUINO.COM
SUINOCULTURA INDUSTRIAL
TERRA VIVA
 
ou data:
NOTÍCIAS DE MERCADO
13/03/2018 às 8h9
Apesar da safra menor, renda do campo deve bater recorde este ano
Produção de grãos deve render R$ 177 bilhões este ano – 5% mais do que na última safra
Compartilhe esta notícia:


Foto: Ilustração/Internet

A safra brasileira de grãos caminha para bater um novo recorde este ano: não de volume, como em 2017, mas de faturamento. A atual safra, ainda em andamento, deve ser a segunda maior da história, com 226,04 milhões de toneladas. Isso representa uma queda de 4,9% em relação ao ciclo anterior. Mas a expectativa é que a receita com grãos cresça quase 5% em 2018, segundo cálculos de analistas ouvidos pelo Broadcast Agro.
 
Três fatores principais ajudam a explicar esse faturamento maior: a forte demanda da China por produtos agropecuários, um câmbio que favorece as exportações, e uma Argentina com problemas climáticos. O país vizinho enfrenta uma severa estiagem que vai reduzir a colheita de soja e milho neste ano. Esse cenário vai levar a uma alta dos preços globais de commodities agrícolas.
 
“A queda na safra da Argentina é a principal variável a puxar para cima os preços de soja e milho”, diz o sócio e consultor da MB Agro Alexandre Mendonça de Barros. A consultoria projeta para os principais grãos – soja, milho, trigo, algodão, feijão e arroz – um faturamento de R$ 177 bilhões para este ano, ante R$ 169 bilhões em 2017.
 
O montante pode ser maior caso a China reduza as compras de soja norte-americana em retaliação à sobretaxa que o presidente Donald Trump impôs às importações de aço e alumínio. Isso pode levar o Brasil a ampliar os embarques da oleaginosa para o país asiático – já que os três grandes fornecedores mundiais são EUA, Brasil e Argentina.
 
Mesmo sem o fator “retaliação”, a expectativa é de que a receita com a oleaginosa avance mais que a dos outros grãos. O assessor técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Alan Malinski, diz que a receita deve ser maior, principalmente para os agricultores que optaram por comercializar o produto após a colheita, já que as cotações da oleaginosa estão subindo. Segundo dados da consultoria INTL FCStone, até o início de março, cerca de 40% da safra de soja havia sido comercializada antecipadamente, restando, assim, 60% para serem negociados sob as cotações atuais, que estão mais altas.
 
Principal produto na pauta da exportação brasileira, a soja tem a produção estimada em 113 milhões de toneladas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) – queda de 1% em relação à última safra. A cotação, no entanto, está em alta. Na semana passada, a saca estava cotada a R$ 74,35, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea)/Esalq – um aumento real de 8% em relação ao mesmo período do ano passado.
 
A consultoria Tendências já revisou os preços para cima. A previsão é de que o preço médio da soja suba 6,1% na comparação com o ano passado e o do milho, 19%. “Não vou dizer que o movimento de preços vai reverter para o campo positivo um resultado que se desenhava negativo. Mas temos um alento à queda da produção”, comenta Felipe Novaes, analista de Agronegócio da Tendências.
 
Segundo ele, os produtores brasileiros vão ganhar com a conversão de um dólar que, em razão das incertezas trazidas pelas eleições, deve alcançar R$ 3,40 até dezembro, saindo de uma cotação que, até um ano atrás, estava em R$ 3,10.
 
Entre os principais integrantes da cesta básica do consumidor brasileiro, o feijão se mantém com preços menores do que os do ano passado, até o momento, mas duas safras ainda estão por vir ao longo de 2018. Caso o cenário positivo para os valores do milho se confirme, agricultores que cultivam feijão podem migrar para o cereal de segunda safra em busca de melhores rendimentos financeiros, o que elevaria o preço médio do feijão.
 
O indicador do Ministério da Agricultura que mostra a receita gerada pela produção de 26 itens agropecuários ainda é inferior ao do ano passado. Mas o coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola do Ministério, José Garcia Gasques, afirma que a tendência é que a receita, medida pelo Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP), avance, já que as estimativas apontam crescimentos consecutivos. Até o momento, considerando apenas os grãos, o VBP é previsto em R$ 203 bilhões para 2018, ante R$ 210 bilhões no ano passado. “A tendência é de pelo menos empatar com a do ano passado.”

Fonte: Estadão
 
Comentário
 
      Nenhum comentário para esta notícia!
Deixe seu Comentário para a notícia "Apesar da safra menor, renda do campo deve bater recorde este ano"
(*) - Todos os campos são de preenchimento obrigatório.
Seu Nome*:
Seu E-mail*:
(o email não será publicado)
Cidade*:
Estado*:
Comentário*:
  500 caracteres restantes.
Eu li e aceito as regras de publicação de comentários. VER REGRAS

VEJA TAMBÉM - Outras Notícias da Categoria NOTÍCIAS DE MERCADO
21/06/2018 - ARTIGO – Eleições e debate econômico
Tenho fé nas instituições republicanas e confio na vocação democrática da sociedade brasileira. Mas isso não me impede de olhar...
21/06/2018 - BRF de Concórdia concede férias coletivas a 1.700 funcionários
A unidade de abate de aves da BRF em Concórdia deve dar férias coletivas a 1.700 funcionários, conforme anúncio feito pela empresa...
21/06/2018 - Em viagem para reunião do BRICS, Maggi vai tratar de embargos da China e Rússia
Em viagem para reunião dos ministros da Agricultura dos BRICS na África do Sul, o ministro Blairo Maggi disse que aproveitará para...
1 Comentário
20/06/2018 - Logística do milho é tema de reunião na FIESC
A logística do milho será tema de reunião nesta quinta-feira dia 21 de junho, às 13h30, na Federação das Indústrias de Santa...
19/06/2018 - Ação da ACCS beneficia produtores com restituição do salário-educação
No ano de 2010 a Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS) ingressou com uma ação coletiva para que os produtores...
19/06/2018 - Custo de produção do quilo de suíno vivo passa dos 4 reais em maio
O custo de produção do quilo de suíno vivo no mês de maio chegou aos R$ 4,07 em Santa Catarina segundo a CIAS, a Central de...
18/06/2018 - Ministério da Agricultura sai da fiscalização de produtos artesanais
A lei 13.680/18 que tira do Ministério da Agricultura a fiscalização de produtos artesanais de origem animal, como queijos,...
18/06/2018 - Influência dos consumidores cresce e modifica a produção
Apesar de o Brasil ainda ser um país de baixa escolaridade (51% concluiu apenas o ensino fundamental e há elevado índice de...
15/06/2018 - Abate de bovinos e suínos cresce no 1º trimestre no país; frango recua
O abate de bovinos e suínos no país cresceu nos três primeiros meses de 2018, mas o de frango recuou - entre outros fatores, pelo...
15/06/2018 - Carne de frango e suína brasileiras marcam presença na Copa do Mundo
A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos...
 
 
Rua do Comércio, nº 655
Centro, Concórdia / SC
CEP: 89700-089
Diretoria
Granjas de Material Genético
50 anos de ACCS
55 anos de ACCS
Relatórios Anuais
Frente Parlamentar
Núcleos e Associações
50 anos ACCS
55 anos ACCS
Rádio ACCS
TV ACCS
Notícias
Links da Suinocultura
Receitas
Newsletter
Agenda de Eventos
Previsão do Tempo
Galeria de Fotos
© - Ideia Good - Soluções para Internet