Suíno Preço Base
Cooper Central Aurora: R$ 2,80
Pamplona: R$ 2,80
BRF (Sadia/Perdigão): R$ 3,00
JBS Foods: R$ 2,90
+ Bonificação de Carcaça (Média da Bonificação 10%)

Ver Histórico

Bolsa de Suínos
Santa Catarina: R$ 3,44
São Paulo: R$ 4,00
Minas Gerais: R$ 3,90
Paraná: R$ 3,66

Ver Histórico

Mercado de Grãos - Santa Catarina
Milho: R$ 46,40 (Referência Copérdia)
Farelo de Soja: R$ 1,59

Ver Histórico

 
Links da Suinocultura
ABCS
ABPA
CANAL RURAL
CEPEA
CIDASC
CNA
EMBRAPA
FAESC SENAR/SC
FATMA
MAPA
MDIC
NOTÍCIAS AGRÍCOLAS
O PRESENTE RURAL
PÁGINA RURAL
PORKWORLD
SAFRAS & MERCADO
SEC. DA AGRICULTURA
SUINO.COM
SUINOCULTURA INDUSTRIAL
TERRA VIVA
 
ou data:
NOTÍCIAS DE MERCADO
06/04/2018 às 7h47
Nem ruralista esperava megaperdão no Funrural
Com o desconto integral em multas e juros, o governo abre mão de R$ 15 bilhões dos R$ 17 bilhões devidos pelos produtores pessoas físicas
Compartilhe esta notícia:


Foto: Ilustração/Internet

A derrubada de todos os vetos presidenciais à lei que criou o programa de parcelamento de dívidas de produtores com o Funrural pegou de surpresa até a bancada ruralista. Um dia depois da votação, a área econômica ainda calculava o tamanho do prejuízo – que não se restringe ao perdão concedido aos devedores.
 
Com o desconto integral em multas e juros, o governo abre mão de R$ 15 bilhões dos R$ 17 bilhões devidos pelos produtores pessoas físicas ao Funrural, que funciona como uma espécie de contribuição previdenciária do setor. Os R$ 2 bilhões que ainda restam poderão ser compensados com créditos tributários. Há ainda perda de arrecadação futura com a cobrança menor sobre os produtores pessoas jurídicas.
 
Incluindo o programa de parcelamento para micro e pequenas empresas, que também teve o veto derrubado na terça-feira, o prejuízo estimado apenas para 2018 é de R$ 10 bilhões pelo lado da arrecadação e de outros R$ 3 bilhões para o Tesouro Nacional. Mas a União não será a única prejudicada. Estados e municípios também perdem receitas com a decisão do Congresso de restabelecer a isenção tributária sobre os ganhos obtidos pelos produtores com os descontos na dívida. Há impacto também sobre o déficit da Previdência.
 
O governo precisará apontar as receitas que compensarão as renúncias com o Funrural este ano. A área econômica do governo ainda conta com a possibilidade de o Tribunal de Contas da União (TCU) solicite a suspensão das mudanças até que essa indicação seja feita pelo governo. Ainda não está definido se haverá uma provocação formal à corte de contas para que ela se manifeste.
 
As receitas da União para 2019, cuja previsão terá que ser refeita para contemplar as perdas previstas diante da “nova cara” do Refis do Funrural, estão sendo ainda reavaliadas.
 
Outras concessões feitas pelo Congresso e que não estavam nos planos no governo é a concessão de descontos e prazos para a renegociação de dívidas de agricultores familiares e de produtores, inclusive com bancos públicos, como o BNDES.
 
Congresso
 
Negociadores do governo ainda tentavam decifrar os motivos por trás da estratégia adotada pelo presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (MDB-CE). A ele é creditada a manobra que colocou todos os vetos para apreciação em bloco pelo plenário. Aliado do PT no Ceará, seu reduto eleitoral, Eunício tentará um novo mandato em 2018.
 
O acordo feito com o Planalto era de que os vetos a 24 artigos da lei seriam apreciados um a um – os destaques inclusive foram apresentados pelos parlamentares da base e da oposição. Mas Eunício acabou atropelando todos os destaques e pautou o veto integral de uma vez.
 
“Eu queria até saber (o que motivou a decisão), Eunício votou como ele quis”, afirmou a presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputada Tereza Cristina (DEM-MS). O resultado foi a derrubada total do veto com o apoio de 360 deputados e 50 senadores – uma vitória “esmagadora”, na visão da bancada ruralista.
 
Segundo apurou o Estadão/Broadcast, mesmo com posição contrária da área econômica, o Planalto deu sinal verde para a derrubada do veto ao desconto de 100% nas multas e à redução da alíquota cobrada do produtor rural pessoa jurídica de 2,5% para 1,7%. Um gesto à bancada ruralista, uma das mais poderosas no Congresso Nacional, que vinha usando a negociação dessas dívidas como moeda de troca em votações importantes, como a da reforma da Previdência – que acabou engavetada pelo governo federal.
 
Apesar de surpreendida pela lista de benesses conquistadas na terça pela bancada ruralista, Tereza Cristina afirmou ser provável que os produtores sigam questionando a dívida remanescente na Justiça. O pleito é para que o Supremo Tribunal Federal (STF) decida pelo perdão total dos débitos passados.

Fonte: Broadcast Agro/Estadão
 
Comentário
 
      Nenhum comentário para esta notícia!
Deixe seu Comentário para a notícia "Nem ruralista esperava megaperdão no Funrural"
(*) - Todos os campos são de preenchimento obrigatório.
Seu Nome*:
Seu E-mail*:
(o email não será publicado)
Cidade*:
Estado*:
Comentário*:
  500 caracteres restantes.
Eu li e aceito as regras de publicação de comentários. VER REGRAS

VEJA TAMBÉM - Outras Notícias da Categoria NOTÍCIAS DE MERCADO
21/09/2018 - Mercado do milho está “derretendo”
“Aumento nos estoques pela retenção dos vendedores, exportação retraída pela falta de competitividade do milho brasileiro,...
21/09/2018 - ELEIÇÕES 2018
A Moody's afirmou nesta quinta-feira que o novo presidente do Brasil enfrentará desafios em seu relacionamento com o Congresso...
21/09/2018 - Suíno paulista tem valorização, mas não reverte cenário para produtores
De acordo com pesquisas do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), as recentes valorizações do suíno vivo têm...
20/09/2018 - Guerra comercial entre EUA e China afeta empresa fortemente, diz BRF
A guerra comercial estabelecida entre os Estados Unidos e a China afeta "muito fortemente" as operações da BRF, disse o CEO da...
20/09/2018 - ARTIGO - Sustentabilidade
As cadeias produtivas da carne, em Santa Catarina, são extremamente avançadas, respeitam e protegem os recursos naturais. A...
20/09/2018 - Brasil passa a ser o terceiro maior exportador agrícola
O Brasil já é o terceiro maior exportador agrícola do mundo. Mas as mudanças climáticas podem representar um desafio real para a...
19/09/2018 - Equipe da Agroceres PIC expõe três trabalhos científicos no Allen D. Leman Swine Conference 2018
As equipes de Serviços Técnicos e de Serviços Veterinários da Agroceres PIC expuseram três trabalhos científicos no Allen D. Leman...
19/09/2018 - China se destaca por agregar valor nas cadeias agrícolas
A China emergiu como "key player" nas cadeias globais de valor na agricultura, com um avanço nessa frente que de longe superou o...
19/09/2018 - Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) vai intensificar a vigilância nos aeroportos, portos e fronteiras do...
18/09/2018 - Trump impõe tarifas sobre US$ 200 bi
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que vai impor tarifas de 10 por cento sobre cerca de 200 bilhões de dólares...
 
 
Rua do Comércio, nº 655
Centro, Concórdia / SC
CEP: 89700-089
Diretoria
Granjas de Material Genético
50 anos de ACCS
55 anos de ACCS
Relatórios Anuais
Frente Parlamentar
Núcleos e Associações
50 anos ACCS
55 anos ACCS
Rádio ACCS
TV ACCS
Notícias
Links da Suinocultura
Receitas
Newsletter
Agenda de Eventos
Previsão do Tempo
Galeria de Fotos
© - Ideia Good - Soluções para Internet