Suíno Preço Base
Cooper Central Aurora: R$ 3,40
Pamplona: R$ 3,40
BRF (Sadia/Perdigão): R$ 3,40
JBS Foods: R$ 3,30
+ Bonificação de Carcaça (Média da Bonificação 10%)

Ver Histórico

Bolsa de Suínos
Santa Catarina: R$ 4,41
São Paulo: R$ 4,69
Minas Gerais: R$ 4,70
Paraná: R$ 4,30

Ver Histórico

Mercado de Grãos - Santa Catarina
Milho: R$ 38,40 (Referência Copérdia)
Farelo de Soja: R$ 1,35

Ver Histórico

 
Links da Suinocultura
ABCS
ABPA
CANAL RURAL
CEPEA
CIDASC
CNA
EMBRAPA
FAESC SENAR/SC
FATMA
MAPA
MDIC
NOTÍCIAS AGRÍCOLAS
O PRESENTE RURAL
PÁGINA RURAL
PORKWORLD
SAFRAS & MERCADO
SEC. DA AGRICULTURA
SUINO.COM
SUINOCULTURA INDUSTRIAL
TERRA VIVA
 
ou data:
NOTÍCIAS DE MERCADO
05/06/2018 às 9h25
Santa Catarina completa 11 anos como único estado do país livre de febre aftosa sem vacinação
O status sanitário diferenciado contribuiu para que SC se consolide como uma referência em sanidade e defesa agropecuária
Compartilhe esta notícia:



Há 11 anos, Santa Catarina se mantém como único Estado brasileiro livre de febre aftosa sem vacinação. O status sanitário diferenciado contribuiu para que SC se tornasse um dos maiores produtores de suínos e aves do país e uma referência em sanidade e defesa agropecuária. O reconhecimento veio em maio de 2007 pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e foi resultado de uma longa trajetória, inciada em 1965.
 
No Estado, o último foco da doença aconteceu em 1993 e desde 2000 foi suspensa a vacinação dos bovinos. O status sanitário diferenciado logo se transformou em uma vantagem competitiva e Santa Catarina se tornou o maior exportador de carne suína e o segundo maior exportador carne de frango do país, alcançando os mercados mais exigentes do mundo.
 
A conquista de mercados exigentes não aconteceu por acaso. Este foi justamente um dos motivos que levou Santa Catarina a buscar o reconhecimento internacional – ser referência em sanidade animal e chegar aos mercados mais competitivos. O secretário da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, explica que o certificado da OIE distingue a produção catarinense no cenário nacional e se tornou um patrimônio do Estado. “O reconhecimento internacional trouxe grandes vantagens econômicas para Santa Catarina. Com ele, o Estado conquistou acesso aos mercados mais exigentes do mundo para a carne suína e de frango, gerando emprego e renda para todos os envolvidos na cadeia produtiva”.
 
A conquista e a manutenção do status sanitário exigem esforços conjuntos do Governo de Santa Catarina, Ministério da Agricultura, agroindústrias e produtores rurais. “Os produtores catarinenses entenderam a importância da certificação internacional para valorizar os produtos e tem sido o esforço e a colaboração de cada um que permitiu que chegássemos até aqui e permanecêssemos há 25 anos sem nenhum caso de febre aftosa no estado”, ressalta o secretário.
 
Manutenção do status sanitário

Em Santa Catarina a sanidade animal é levada a serio e os esforços nesse sentido são imensos. A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) mantém 63 barreiras sanitárias fixas nas divisas com Paraná, Rio Grande do Sul e Argentina que controlam a entrada e a saída de animais e produtos agropecuários. Além disso, em Santa Catarina todos os bovinos e bubalinos são identificados e rastreados.
 
Já que é proibido o uso de vacina contra febre aftosa em todo o território catarinense, não é permitida a entrada de bovinos provenientes de outros estados. Para que os produtores tragam ovinos, caprinos e suínos criados fora de Santa Catarina é necessário que os animais passem por quarentena tanto na origem quanto no destino e que façam testes para a febre aftosa, exceto quando destinados a abatedouros sob inspeção para abate imediato.
 
O Governo do Estado mantém ainda um sistema permanente de vigilância para demonstrar a ausência do vírus de febre aftosa em Santa Catarina. Continuamente, a Cidasc realiza inspeções clínicas e estudos sorológicos nos rebanhos, além de dispor de uma estrutura de alerta para a investigação de qualquer suspeita que venha a ser notificada pelos produtores ou por qualquer cidadão. A iniciativa privada também é uma grande parceira nesse processo, por meio do Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária (Icasa).
 
Próximo diferencial catarinense

O Brasil já se prepara para conquistar o certificado internacional como país livre da doença sem vacinação – assim como Santa Catarina fez em 2007. A expectativa é de que até 2023, a OIE conceda o título a todos os estados do país. E o agronegócio catarinense já se prepara para o seu próximo desafio: erradicar a brucelose e a tuberculose do seu rebanho bovino.
 
Governo do Estado, iniciativa privada e produtores rurais estão focados em fazer da sanidade animal a marca registrada de Santa Catarina e um grande diferencial na busca e manutenção de mercados internacionais. Hoje, o Estado já tem a menor taxa de prevalência de brucelose e tuberculose do Brasil.
 
“Em breve todo país também será livre de febre aftosa sem vacinação e nós já estamos pensando em qual será o nosso grande diferencial. Santa Catarina se prepara para ser conhecido como referência em bem estar animal, controle de brucelose e tuberculose e desempenho ambiental. São esses fatores que irão garantir a competitividade do nosso agronegócio”, destaca o secretário Airton Spies. 

Fonte: Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca
 
Comentário
 
      Nenhum comentário para esta notícia!
Deixe seu Comentário para a notícia "Santa Catarina completa 11 anos como único estado do país livre de febre aftosa sem vacinação"
(*) - Todos os campos são de preenchimento obrigatório.
Seu Nome*:
Seu E-mail*:
(o email não será publicado)
Cidade*:
Estado*:
Comentário*:
  500 caracteres restantes.
Eu li e aceito as regras de publicação de comentários. VER REGRAS

VEJA TAMBÉM - Outras Notícias da Categoria NOTÍCIAS DE MERCADO
21/05/2019 - Comitiva de argentinos e paraguaios visita a ACCS
Uma comitiva de lideranças políticas, empresariais e produtores da Argentina e Paraguai estão visitando Concórdia, no Oeste...
21/05/2019 - Exportações do agronegócio crescem 7,7% em 2019
O agronegócio responde por 63,7% das exportações catarinenses em 2019. O setor fatura alto, conquista novos mercados e apresenta...
20/05/2019 - Custos de produção de suínos e de frangos de corte caem 2% em abril
Os custos de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa...
14/05/2019 - Peste Suína Africana chega a Hong Kong
Hong Kong registrou seu primeiro surto de Peste Suína Africana em um abatedouro próximo a fronteira com a China. Seis mil animais...
13/05/2019 - Com peste suína, exportação para China é recorde
A economia brasileira já começa a sentir os primeiros impactos da Peste Suína Africana (PSA), que desde agosto de 2018 obrigou a...
13/05/2019 - Situação da Peste Suína na China é calamitosa, alerta Marcos Yank
A China, país que produz e consome mais da metade da carne suína mundial, vem sendo devastada por uma grave epidemia de peste...
10/05/2019 - Empresa que recolhe animais mortos em propriedades rurais do Oeste de SC interrompe serviços
09/05/2019 - Arrancada da JBS eleva seu valor para R$ 55 bi
A JBS nunca valeu tanto na bolsa - mais de R$ 55 bilhões ontem. Nos últimos 12 meses, nenhuma companhia do Ibovespa se valorizou...
09/05/2019 - Exportações de carne suína crescem 44,3% em abril
As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 58,1 mil...
08/05/2019 - Surto de peste suína africana na China eleva em 25% o preço da carne de porco em MT
Desde o último trimestre do ano passado, quando o governo Chinês confirmou a ocorrência de casos de peste suína africana em seu...
 
 
Rua do Comércio, nº 655
Centro, Concórdia / SC
CEP: 89700-089
Diretoria
Granjas de Material Genético
50 anos de ACCS
55 anos de ACCS
Relatórios Anuais
Frente Parlamentar
Núcleos e Associações
50 anos ACCS
55 anos ACCS
Rádio ACCS
TV ACCS
Notícias
Links da Suinocultura
Receitas
Newsletter
Agenda de Eventos
Previsão do Tempo
Galeria de Fotos
© - Ideia Good - Soluções para Internet