Notícia
01/03/2019 - 9 hrs
 
Presidente da ACCS comemora habilitação de plantas frigoríficas para a Coreia do Sul
 
A Agência de Quarentena Animal e Vegetal da Coreia do Sul (APQA) anunciou na quarta-feira (27) a habilitação de mais nove estabelecimentos brasileiros para exportar carnes para seu mercado. Esses novos estabelecimentos habilitados já haviam cumprido com a etapa anterior, de autorização junto ao Ministério da Segurança dos Alimentos e Medicamentos (MFDS) daquele país. Dessa maneira, estão prontas para iniciar as exportações de carnes para o país.
 
As habilitações foram resultado de missão de auditoria realizada por autoridades sul-coreanas, em outubro do ano passado. Esses estabelecimentos autorizados se somam a quatro que já possuíam permissão para exportar ao país asiático. Das nove plantas habilitadas agora, cinco são de carne suína e quatro de aves.
 
Presidente da ACCS comemora
 
O presidente da ACCS, Losivanio Luiz de Lorenzi, comemora a liberação das plantas frigoríficas que poderão exportar aves e suínos para os sul-coreanos. “Santa Catarina tem um status sanitário diferenciado e por isso possui potencial para atingir mercados exigentes. O Frigorífico Catarinense e a Satiare Alimentos são plantas que compram de produtores independentes. Isso mostra que a nossa produção é de excelência, seja ela atrelada com as integrações ou não”.
 
Na avaliação de Losivanio, 2019 deve ser promissor para a suinocultura, minimizando as grandes perdas econômicas dos últimos três anos. “Esse trabalho de abertura de mercado é essencial para que os produtores consigam permanecer na atividade. Com a melhora do cenário econômico nacional, esperamos que haja um incremento no consumo de proteína animal. Esperamos que haja também uma melhora no preço pago para o suinocultor para que a gente pague as contas do passado e possa sonhar com lucratividade na atividade”.
 
Potencial de mercado
 

A Coreia do Sul importa cerca de 1,5 bilhão de dólares por ano em carne suína. Levando em consideração a fatia de 9% do mercado mundial do produto ocupada pelo Brasil, é estimado o potencial do mercado sul-coreano em 189 milhões de dólares com as novas plantas. No que se refere à carne de frango, o Brasil já ocupa uma posição privilegiada, respondendo por 85% das importações da Coreia do Sul. O valor das vendas brasileiras de carne de frango in natura para o país asiático chegou a 169 milhões de dólares em 2018.
 
Os serviços sanitários da Coreia do Sul são conhecidos por estarem entre os mais rigorosos do mundo. A habilitação de novas plantas reitera a demonstração de confiança das autoridades do país asiático na certificação brasileira e reforça o posicionamento do Brasil no exigente e lucrativo mercado sul-coreano.
 
Em 2018, Santa Catarina embarcou 1,19 mil toneladas de carne suína para a Coreia do Sul, gerando um faturamento de US$ 1,8 milhão. O país é também um grande consumidor da carne de frango produzida no estado. No último ano, foram 33,5 mil toneladas do produto exportadas, com receitas de US$ 59,9 milhões.
 
Plantas habilitadas
 

Das nove plantas habilitadas agora, cinco são de carne suína e quatro de aves. Em Santa Catarina, os frigoríficos autorizados para exportação de carne suína são: Satiare Alimentos de Xanxerê; Pamplona Alimentos de Rio do Sul; Frigorífico Catarinense de Grão Pará; Seara Alimentos de São Miguel do Oeste e Seara Alimentos de Itapiranga. E a Cooperativa Central Aurora de Maravilha está habilitada a vender carne de aves.
 
Fonte: ACCS, com informações do Mapa e da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca | 7
Impresso em: 23/07/2019 às 23:13

ACCS - Associação Catarinense de Criadores de Suínos