ACCS - Associação Catarinense de Criadores de Suínos

Notícias


Laboratório de peste suína africana tem cientistas trabalhando para impedir sua propagação por trás de portas ‘airlock’

Por trás das paredes e portas herméticas do Laboratório de Saúde Animal da Austrália (AAHL), um grupo de cientistas está trabalhando em doenças infecciosas

19/11/2019 às 09h30


Todos os dias eles se despem, andam nus através de uma sala com câmara de ar até um vestiário do outro lado. Lá, um novo conjunto de roupas os espera.
 
Na viagem de volta, eles precisam tomar banho, lavar os cabelos e não podem tirar nada que tenha entrado na área segura.
 
É tudo para impedir que as doenças infecciosas estudadas cheguem ao mundo exterior.
 
Os cientistas do complexo de Geelong dizem que o tempo se move lentamente - apenas a movimentação entre as salas pode levar 20 minutos.
 
Um dos principais projetos de pesquisa aqui é sobre a peste suína africana (PSA), um vírus que já destruiu um quarto da população suína do mundo.
 
A doença ainda não chegou à Austrália, mas, à medida que se espalha rapidamente pela Ásia, cresce o medo de que a primeira detecção não esteja longe.
 
O diretor do Laboratório de Saúde Animal da Austrália, Trevor Drew, passou grande parte de sua carreira pesquisando a PSA.
 
"Acho que nunca realmente esperei que a peste suína africana se espalhasse com tanta ferocidade e que tenha um efeito devastador sobre as populações de suínos", disse ele.
 
"Acho que agora a situação na Ásia é tal que não poderemos controlar a peste suína africana até que haja uma vacina disponível".
 
Mas o Dr. Drew diz que uma vacina pode demorar pelo menos cinco anos.
 
Nesses laboratórios seguros, os pesquisadores esperam ser os únicos a fazer a descoberta.
 
O diretor do CSIRO, David Williams, diz que os cientistas trabalham com uma vacina há 60 anos, mas como o vírus é tão grande e complexo, não é tarefa fácil.
 
"Tem sido muito difícil desenvolver uma vacina, principalmente por causa das propriedades do vírus e da maneira como ele infecta os porcos", disse ele.
 
"Quando excluímos genes específicos que consideramos importantes para o vírus, eles não afetaram o vírus. Ele ainda cresce e ainda é infeccioso e ainda virulento".
 
Preparando-se para o pior
 
Até que uma vacina seja desenvolvida, cientistas e autoridades australianos estão se preparando para o pior.
 
O Dr. Drew fará parte de uma simulação de surto com outras autoridades no final do mês, para descobrir como o país está preparado.
 
"Acho que ainda há trabalho a ser feito. Para as grandes áreas industriais de produção de suínos, acho que estamos muito preparados", afirmou.
 
"Eu tenho algumas preocupações com pequenos agricultores, agricultores de quintal, que podem não estar tão conscientes da doença e pode haver algumas fraquezas na propagação do vírus".
 
Williams diz que, sem uma vacina, diagnosticar surtos e responder rapidamente será a chave para impedir a propagação do vírus.
 
"Isso significa que precisamos usar medidas tradicionais de controle de doenças e isso representa abater as populações de porcos infectados nas fazendas, enterrar os porcos ou descartá-los de maneira segura e depois desinfetar as fazendas", afirmou.
 
Medos ferozes
 

Drew diz que a doença pode se espalhar pela grande população de porcos selvagens da Austrália, com um número estimado de 25 milhões espalhados por quase metade do país.
 
"Ninguém sabe exatamente quantas são, mas se elas forem infectadas, é quase certo que a doença se espalhe muito rapidamente ... o que tornaria extremamente difícil o controle", disse ele.
 
Os cientistas estão preocupados com os carrapatos
 
Em outras partes do mundo, como a África, o PSA é conhecido por carrapato e os pesquisadores da AAHL estão testando os carrapatos australianos para descobrir se eles também podem ser portadores potenciais do vírus.
 
"Na Austrália, temos espécies semelhantes, e a pesquisa que começamos aqui recentemente é para tentar entender qual papel potencial os carrapatos moles australianos poderiam ter na atuação como reservatório [hospedeiro]", disse o Dr. Drew.
 
"Em primeiro lugar, essas espécies australianas de carrapatos podem se infectar com um vírus? E podemos fazer isso no laboratório de alta contenção".
 
Campos de teste
 
A maneira mais provável da PSA entrar na Austrália é através de produtos suínos infectados que depois são alimentados dados para os suínos. O governo federal aumentou a biossegurança do país nos últimos meses.
 
Produtos de carne de porco que foram apreendidos em aeroportos internacionais ou centros de correio são enviados para este laboratório para testes.
 
Os testes mais recentes descobriram que quase metade dos produtos apreendidos continha fragmentos de vírus ASF, contra apenas 11% no ano passado.
 
"Vimos um aumento acentuado de produtos suínos positivos e achamos que isso reflete a quantidade de vírus que está se replicando em porcos no sudeste da Ásia e na China", disse Williams.
 
"Isso destaca o risco de a peste suína africana que pode entrar no país e entrar na alimentação de porcos".
 
Além de tentar impedir a disseminação do ASF, este laboratório também está envolvido na capacitação no sudeste da Ásia.
 
Nesta semana, cientistas de toda a região, incluindo o virologista indonésio Sri Handayani Irianingsih, estão recebendo treinamento dos principais especialistas em biossegurança.
 
"Estamos nos preparando para um surto de peste suína africana, com testes prontos para diagnosticar a doença", disse Irianingsih.
 
"A razão pela qual fazemos isso é que precisamos identificar a doença rapidamente, para que possamos ajudar os agricultores a controlar e erradicar".
 
Irianingsih disse que a colaboração entre a Austrália e o Sudeste Asiático é vital.
 
"Eu acho que é importante colaborar neste momento e no futuro, para ajudar a saúde animal entre a Indonésia e a Austrália."

Fonte: ABC News, com tradução da ACCS



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Fique tranquilo que ele não será exibido junto ao comentário.







Veja Também









Parceiros

ORDEMILK LTDA.
(49) 3537-0454
Sky Sollaris
(49) 3442-0072
(49) 99912-8000
EQUITTEC
(54) 3442-5666
AGROCOASC
(49) 3442-6158
PEROZIN INDÚSTRIA METALÚRGICA
(49) 3442-1466
SICOOB CREDIAUC
49 34411300
MAGNANI - IMPLEMENTOS PARA SUINOCULTURA
49 3452 2266
AGROCERES PIC - GENÉTICA DE SUÍNOS
(19) 3526-8580
TOPGEN
(43)3535-1432
COASC
49 3442 6158
49 8835 0275

Newsletter

Fique por dentro das novidades.

Novidades no Whatsapp

 
49 . 3442 0414
Rua do Comércio, nº 655
Centro, Concórdia / SC
89700-089

Atendimento:
Segunda à quinta: 07h30 às 12h e 13h30 às 18h.
Sexta-feira: 7h30 às 12h e 13h30 às 17h