ACCS - Associação Catarinense de Criadores de Suínos

Notícias


O que esperar do mercado de milho no ano novo?

Projeções são do analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado

27/12/2019 às 08h55


O mercado de milho no Brasil deve fechar o ano com preços firmes. O mercado do milho de olho nos números do USDA para janeiro e com o restante da safra dos EUA, que está com 8% do total sem colheita. Isso tudo ameniza os fatores climáticos no Brasil e as negociações no mercado interno fecham com preços firmes. As dicas são do analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado informam que:
 
• Mercado externo concentrado nos números de safra do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) para janeiro e no fluxo de exportações americanas;
 
• Com Brasil fora de novas vendas na exportação e Argentina em entressafra, a demanda global poderá se concentrar nos EUA e oferecer algum suporte para a Bolsa de Mercadorias de Chicago;
 
• Restante a colher na safra dos EUA é a grande dúvida para a produção de 2019, com 8% das lavouras ainda sem colheitas;
 
• Negociações entre EUA e China afetam pouco o milho de forma direta, mas podem ajudar via carnes e etanol;
 
• Tarifas na Argentina em pouco alteram o quadro internacional tendo em vista que o país não tem condições de reter produção e não exportar. Terá que exportar e a preços de mercado;
 
• Chuvas na América do Sul amenizam fator climático para os preços externos;
 
• No mercado interno, as negociações vão fechando o ano com preços bastante firmes;
 
• Colheitas em janeiro e fevereiro no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, avançando em fevereiro e março para o sul do Paraná, podem oferecer um momento de alívio dos preços na região. Tudo dependerá da agressividade dos compradores
 
• Sudeste e Centro-Oeste terão colheitas apenas pontuais em janeiro/fevereiro e o volume mais expressivo para março/abril;
 
• Embarques na exportação vão chegando a 39 milhões de toneladas; alvo para o ano comercial agora é de 39,8 milhões de toneladas;
 
• Estoques de passagem em 10,2 milhões de toneladas;
 
• Mercado interno tem um longo caminho de abastecimento até a colheita da safrinha 2020
 
• Região Nordeste deverá avançar em novas importações em janeiro;
 
• Clima regularizado na maior parte das regiões produtoras no Brasil;
 
• Forte atenção ainda para o clima na Argentina.



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Fique tranquilo que ele não será exibido junto ao comentário.







Veja Também









Parceiros

COASC
49 3442 6158
49 8835 0275
AGROCOASC
(49) 3442-6158
EQUITTEC
(54) 3442-5666
PEROZIN INDÚSTRIA METALÚRGICA
(49) 3442-1466
DB GENÉTICA SUÍNA
34 3818 2500
ORDEMILK LTDA.
(49) 3537-0454
G&S AGRO INFORMÁTICA
49 3566-4381
SINCOL S/A INDUSTRIA E COMÉRCIO
(49) 3561-5000
(49) 98809-7488
SICOOB CREDIAUC
49 34411300
AGROCERES PIC - GENÉTICA DE SUÍNOS
(19) 3526-8580

Newsletter

Fique por dentro das novidades.

Novidades no Whatsapp