ACCS - Associação Catarinense de Criadores de Suínos

Notícias


Santa Catarina completa seis anos como Zona Livre de Peste Suína Clássica

Aniversário da conquista é tema de destaque na NSC TV

31/05/2021 às 08h50
Atualizada em 31/05/2021 - 08h54


Em 28 de maio de 2015, Santa Catarina recebeu o certificado de Zona Livre da Peste Suína Clássica (PSC), concedido pela Organização Internacional de Saúde Animal – OIE. Títulos como este e como o de Zona Livre de Febre Aftosa sem Vacinação, recebido há 14 anos, trazem ganhos para a saúde pública e para a economia.
 
Ambos certificados contribuíram para que o estado se tornasse o maior produtor de carne suína do Brasil e um grande exportador, registrando recordes recentes em volume e valor negociados. Para o presidente da Cidasc, Plinio de Castro, “a chancela internacional da OIE, declarando Santa Catarina como área livre de peste suína clássica há 6 anos, demonstra que o catarinense vem avançando na busca pela sanidade.”
 
O presidente enfatiza a dedicação de diversas instituições e profissionais para obtenção destes certificados. “É o resultado de um trabalho minucioso dos profissionais da Cidasc, apoiados pelas ações do Governo Estado, Secretaria de Estado da Agricultura junto aos produtores rurais e agroindústrias. O status sanitário dá ao Estado uma segurança, ao produtor vantagens sanitárias e para o comércio internacional é a garantia de abertura de mercados”, afirma Plinio.
 
A Cidasc é o órgão responsável pela defesa agropecuária em Santa Catarina, e empenha-se para que o status sanitário diferenciado seja mantido. A parceria com os produtores é essencial neste sentido.
 
Para ser certificado, o agronegócio catarinense precisou adotar ações sistemáticas em toda cadeia produtiva e que precisam ter continuidade para manter a conquista. A Cidasc é parte deste trabalho através de programas de sanidade animal, do serviço de inspeção de produtos de origem animal e da fiscalização agropecuária realizada nos 63 postos que a Companhia mantém na fronteira e nas divisas estaduais.
 
Notificação de casos suspeitos é obrigatória
 
A Peste Suína Clássica é uma doença viral, muito contagiosa e sem cura, que afeta porcos e javalis. Embora nenhum caso tenha sido registrado nos plantéis catarinenses há mais de 25 anos, os produtores devem estar atentos aos sinais e comunicar casos suspeitos ao escritório da Cidasc mais próximo.
 
Animais contaminados pela PSC podem apresentar manchas vermelhas no corpo, febre, andar cambaleante e perda de apetite. A doença também pode gerar aborto e morte dos filhotes recém-nascidos ou alterar o cio das fêmeas.
 
A prevenção inicia na compra dos animais para reprodução, que devem ser certificados. Todos animais devem ser brincados, garantindo a rastreabilidade da propriedade até o local do abate. Há ainda regras rígidas para o transporte de animais, especialmente vindos de fora do estado.
 
Devem ser observadas ainda boas práticas no manejo, como a alimentação com ração adequada, sendo proibido alimentar os porcos com restos de alimentos. Também há necessidade de controle dos javalis, espécie invasora que pode ser portadora de doenças como a PSC.

Confira o vídeo:




SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Fique tranquilo que ele não será exibido junto ao comentário.







Veja Também









Parceiros

AGROCERES PIC - GENÉTICA DE SUÍNOS
(19) 3526-8580
AGROCOASC
(49) 3442-6158
MAGNANI - IMPLEMENTOS PARA SUINOCULTURA
49 3452 2266
DB GENÉTICA SUÍNA
(34) 3818-2500
COASC
49 3442 6158
49 8835 0275
SICOOB CREDIAUC
49 34411300
G&S AGRO INFORMÁTICA
49 3566-4381
EQUITTEC
(54) 3442-5666
Sky Sollaris
(49) 3442-0072
(49) 99912-8000
TOPGEN
(43)3535-1432

Newsletter

Fique por dentro das novidades.

Novidades no Whatsapp