ACCS - Associação Catarinense de Criadores de Suínos

Notícias


Espanha abate 40% mais suínos do que há 10 anos com recorde de exportações

As famílias consomem 8,3% menos carne suína fresca e 5,97% menos carne processada

27/06/2022 às 09h26


O abate de suínos na Espanha cresceu 40,7% desde 2012. De 41,6 milhões de cabeças de suínos mortos há uma década, subiu para 58,5 milhões em 2021. Embora o consumo nos lares espanhóis, esse tipo de carne caiu novamente após a recuperação registrou durante a pandemia, as exportações não param de crescer e a Espanha já é o terceiro maior produtor do mundo, atrás da China e dos Estados Unidos.
 
É o que consta no Relatório Anual da Organização Interprofissional dos Porcos de Pelagem Branca (Interporc), com dados compilados a partir de informações oficiais do Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação. Quanto à produção total de carne suína, em 2021 foram atingidos 5,19 milhões de toneladas (4,8 de camada branca), o que representa um aumento de 3,8% em relação a 2020 e de 49,57% em relação a 2012.
 
Da mesma forma, a Espanha produziu cerca de 967 mil toneladas de carne suína processada em 2021. Destes, 58% na forma de embutidos e os 42% restantes, na forma de alimentos cozidos e em conserva.
 
Mas de toda essa carne que é produzida em nosso país, 60% vai para o exterior . E a última década foi um salto quantitativo notável. Desde 2012, as exportações de carne suína aumentaram 119,15%. No total, passaram de 1,41 milhão de toneladas naquele ano para 3,09 milhões em 2021.
 
Em valor, as exportações ultrapassaram os 7.718 milhões de euros, o segundo valor mais elevado de todo o setor agroalimentar. E foram 133% superiores aos de 2012. Por outro lado, as importações são muito pequenas, então a balança comercial é positiva, com 7,212 milhões, uma das maiores de todos os setores.
 
40,4% do que foi exportado foi para a China , com 1,21 milhão de toneladas no valor de mais de 2.701 milhões de euros. O restante foi principalmente para França, Itália, Filipinas, Japão, Coreia do Sul e Portugal . Esses sete mercados externos já representam 75% de todas as exportações do setor, que envia carne suína para 130 destinos.
 
Onde os animais são criados? Bem, fundamentalmente, em seis comunidades autónomas , que respondem por 95% das exportações. Catalunha (52,4%), Aragão (22,6%), Castilla-La Mancha (5,4%), Região de Múrcia (5,3%), Castilla y León (5%) e Andaluzia (4,5%).
 
O consumo, por outro lado, marca mais uma vez a tendência de queda que teve na última década e que foi interrompida no primeiro ano da pandemia. Em 2021, as famílias espanholas consumiram mais de 990.000 toneladas de carne e carne suína processada. Destes, 451.000 eram carnes frescas e 539.000 na forma de carnes processadas . Comparado a uma década atrás, consumimos 8,3% menos do primeiro e 5,97% menos do segundo.
 
De qualquer forma, se somarmos o consumo fora de casa nos canais de hotelaria e indústria , no total estima-se que o consumo atingiu 1,22 milhão de toneladas em 2021. Por pessoa, os espanhóis consomem 9,77 quilos de carne suína fresca por ano, enquanto para a carne processada o número sobe para 11,68 quilos. O consumo conjunto de ambos os tipos dá um saldo de 45,40 quilos por pessoa por ano.
 
Com os números de consumo e o aumento das exportações, explica-se porque o censo de suínos espanhol já é o maior de toda a União Europeia. No entanto, a partir do manejo de suínos eles se defendem das críticas e polêmicas das macro-fazendas.
 
Neste sentido, sublinham que a dimensão média das explorações espanholas em 2021 ronda as 407 cabeças de porco por exploração (448,6 no caso da bata branca). De acordo com o Relatório Interporc, isso representa um tamanho menor do que o resto dos países ao nosso redor, onde "em todos eles o tamanho médio supera em muito 1.500 cabeças por fazenda".
 
Por outro lado, também mostram que o número de granjas de suínos caiu pouco mais de 5% na última década, passando de 89.192 em 2012 para 84.674 em 2021. A pecuária intensiva caiu de 71.700 para 68.836 e apenas 2.180 de alta capacidade granjas de suínos , com entre 481 e 864 grandes unidades pecuárias (UGM) em seus recintos.
 
Implementação em áreas rurais
 
Os empregadores destacam a importância do setor suíno para o meio rural . Entre outros dados, eles garantem que 39% dos municípios rurais possuem fazendas desse tipo e que 75% do censo de suínos está localizado em áreas rurais. Da mesma forma, 45% das indústrias do setor estão nesse ambiente e contribuem com 35% do emprego no setor.
 
"Estamos enraizados na terra que herdamos de nossos pais e queremos passá-la para nossos filhos", defendeu nesta quinta-feira o presidente da Interporc, Manuel García, durante seu discurso no VII Fórum Porcino realizado em Madri.
 
Após a polêmica sobre as macro fazendas aberta pelo ministro do Consumo Alberto Garzón, o interprofissional quis focar o evento na importância da comunicação . Durante o encerramento do mesmo, o ministro da Agricultura, Luis Planas , saiu em defesa do setor, pedindo-lhe para aumentar os esforços para reduzir as emissões e aumentar a produção sustentável.
 
“A comunicação é fundamental porque o consumidor se apaixona e fica convencido quando lhe explicam que o produto que consome é absolutamente seguro e é produzido em boas condições”, disse.

Fonte: Agrolink



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


* Fique tranquilo que ele não será exibido junto ao comentário.







Veja Também









Parceiros

AGROCERES PIC - GENÉTICA DE SUÍNOS
(19) 3526-8580
MAGNANI - IMPLEMENTOS PARA SUINOCULTURA
49 3452 2266
COASC
49 3442 6158
49 8835 0275
Sky Sollaris
(49) 3442-0072
(49) 99912-8000
DB GENÉTICA SUÍNA
(34) 3818-2500
AGROCOASC
(49) 3442-6158
SICOOB CREDIAUC
49 34411300
TOPGEN
(43)3535-1432
G&S AGRO INFORMÁTICA
49 3566-4381
EQUITTEC
(54) 3442-5666

Newsletter

Fique por dentro das novidades.

Novidades no Whatsapp